Prainha Branca em 02 dias – Dia 01

Resumo do relato completo:

Dia 01: História, Como chegar, Trilha, Prainha Branca, Onde se hospedar, O que fazer, Onde Comer, Curtindo o dia na Prainha Branca

Dia 02Amanhecendo no Camping, Trilha para a Prainha Preta, Voltando para Bertioga, Melhor pastel de Bertioga, Resumo dos gastos

——————————————————————————————————————————————————————

Dia 01

Para comemorar meu aniversário, resolvi fazer o que mais gosto na vida, VIAJAR! Convidei meus amigos, e fomos pra estrada aproveitar um final de semana na nossa querida Prainha Branca!

O momento não poderia ser melhor. Último final de semana do verão, e um clima extremamente tenso na grande cidade de São Paulo.

Se você que estiver lendo estiver no Brasil, vai entender do que eu estou falando.

É petralha pra lá, coxinha pra cá! As pessoas cada vez mais nervosas na rua. E claro, nenhum de nós está imune a esse clima “pesado”, que acaba por atrapalhar nosso cotidiano.

Relaxando na Prainha Branca
Relaxando na Prainha Branca

Então, para nós não existiria uma maneira melhor de renovar as energias, do que indo para a PRAIA.

Como chegar na Prainha Branca

O ponto de referência mais fácil para chegar até a Prainha Branca, é a balsa que liga Bertioga – Guarujá. Para chegar lá, primeiro tem que ir para Bertioga. Em Bertioga pegar a balsa para Guarujá.

Do lado de Guarujá, a balsa deixa os viajantes bem próximos da trilha que leva até a Prainha Branca. Uma trilha bem leve.

Seguimos em PESO para a Prainha Branca. Éramos em 7 pessoas, e decidimos dividir o grupo em 5 pessoas no carro, e 2 pessoas de ônibus. Já que o custo seria menor do que todos indo de ônibus para Bertioga.

Nem parece São Paulo
Nem parece São Paulo

Saindo de São Paulo, existem 3 opções para chegar em Bertioga:

  • Carro: Vindo de SP, acesso pelas rodovias Anchieta/Imigrantes, Piaçaguera-Guarujá e Rio-Santos. Ou Ayrton Senna e Mogi-Bertioga. Indo pela Mogi-Bertioga (que foi o que fizemos) o trajeto tem uma extensão de 109km, levando cerca de 2h para ir, e de 2h para voltar. Gastando em média, um tanque inteiro de gasolina.
  • Ônibus: A empresa Viação Ultra faz o trajeto de São Paulo até Bertioga, saindo do terminal rodoviário do Jabaquara (linha azul do metrô). A passagem de ônibus para a ida custa R$ 35, com 2h20 de estrada. E a volta custa R$ 29 levando o mesmo tempo de viagem. Para mais informações de horário, clique aqui. Vale a pena comprar a passagem com antecedência, pois as passagens costumam acabar. O que pode atrapalhar seu planejamento de horário.
  • Embarcar na estação Brás da CPTM (R$ 3,80) e seguir até a estação Guaianazes pela linha 11 – Coral. mudar de trem e seguir até a estação Estudantes, também na linha 11 – Coral. Saindo da estação Estudantes, diversos motoristas de vans, irão oferecer o transporte até a Prainha Branca, com o preço variando de R$ 15 a R$ 25. Não recomendo essa opção, pois a economia não é grande, e o tempo que se leva é muito maior.

Depois de chegar à Bertioga, é necessário pegar a balsa Bertioga-Guarujá. Não é cobrado nenhum valor para pedestres que peguem a balsa. Para motocicletas é cobrado R$ 5,30 nos dias úteis, e R$ 8 aos sábados, domingos e feriados. Para carros o valor é de R$ 10,60 em dias úteis, e R$ 15,80 nos sábados domingos e feriados.

Balsa Bertioga-Guarujá
Balsa Bertioga-Guarujá

A balsa fica há 15 minutos andando do terminal de ônibus. Nós que fomos de carro, deixamos o carro em um estacionamento próximo à balsa, onde pagamos R$ 60 pelos dois dias. Após pegar a balsa, é necessário fazer uma trilha de cerca de 30 minutos, que é bem leve.

Prainha Preta
Prainha Preta

2 amigos pegaram ônibus no Jabaquara às 6h40 e chegaram na Prainha Branca por volta das 9h. Nós que fomos de carro, saímos às 8h30 e chegamos por volta das 10h em Bertioga. E só umas 11h20 na Prainha Branca, pois demoramos MUITO na trilha. Já vou explicar o que aconteceu.

Vista para Orla de Bertioga
Vista para Orla de Bertioga

Trilha para Prainha Branca

Andando alguns metros depois de descer da balsa, você dá de cara com a trilha para a Prainha Branca. E te garanto que ela está muito bem sinalizada. É bem tranquila de ser feita, e dura cerca de uns 30 minutos. Pode ir de chinelo, regata, bem tranquilão!

Início da trilha para Prainha Branca
Início da trilha para Prainha Branca

Depois de alguns metros existe uma bifurcação (normalmente fica uma senhora vendendo DELICIOSOS sacolés neste ponto da trilha, vale a pena experimentar :D). À direita a trilha é meio asfaltada, e a esquerda é mais “roots”.

Dessa vez seguimos a trilha asfaltada, e não foi uma boa ideia aahaha. Muita subida, e não há muita natureza comparada a trilha mais “roots”.

Vale a pena seguir à esquerda
Vale a pena seguir à esquerda

Ambos os caminhos seguem por uma mata um pouco fechada (esteja preparado para suar bastante). Dessa vez não tivemos nenhuma “surpresa” na trilha. Da outra vez que fomos para a Prainha Branca, comemos alguns morangos silvestres que encontramos no caminho, e demos de cara com uma cobra comendo um sapo. Resumindo, a trilha “roots” é melhor!

Ambos os caminhos demoram o mesmo tempo, cerca de 30 minutos. Mas no nosso caso levamos o DOBRO, ou mais! Isso porque tivemos a “incrível” ideia de levar um cooler com MUITA cerveja. E nessa percebemos que cerveja PESA PRA CAR…… Mas depois de muito MUITO cansaço, chegamos ao paraíso. Prainha Branca!

História da Prainha Branca

Antes de falar sobre a Prainha Branca, precisamos primeiro entender um pouco sobre os caiçaras. Que são os habitantes da praia.

Descendentes de Índios Tupi-Guarani e Portugueses, os Caiçaras foram os primeiros brasileiros do Novo Mundo (junção de índios com portugueses). Com a chegada dos negros no Brasil, o caiçara  “se diversificou” ainda mais, passando a ser descendente também de negros. Uma combinação linda de etnias 😀

Faz BASTANTE Sol na Prainha Branca
Faz BASTANTE Sol na Prainha Branca

A cultura e hábitos caiçaras, só existem no Litoral da região sudeste do Brasil. Vivem da pesca artesanal, da agricultura, caça, artesanato. E nos últimos anos (ou até décadas), do ecoturismo.

As primeiras comunidades caiçaras chegaram na região da Prainha Branca, há mais de 100 anos atrás. No final do século XIX. E continuam por lá até hoje, mantendo seus hábitos.

Trabalho de artesanato de moradores
Trabalho de artesanato de moradores

Prainha Branca

Hoje em dia a praia possui cerca de 500 moradores, que totalizam 93 famílias.

E apesar de ser um pouco isolada e distante do contato com a cidade grande, a comunidade tem quase tudo que as famílias precisam: duas escolas que atendem até a 4ª série, uma mercearia, uma padaria, uma igreja, um posto policial que funciona apenas na temporada de verão. Que também vira base para atendimento médico uma vez por semana.

E também uma ótima estrutura para os viajantes: restaurante, campings, e pousadas, além de um clima bem good vibes, entre os moradores e os visitantes.

Andando pela comunidade
Andando pela comunidade

Para entender um pouco sobre o convívio em uma comunidade caiçara, tomei a liberdade de retirar o seguinte trecho do site Praias do Guarujá.

Prainha Branca
Prainha Branca

“A segurança é um fator que deixa os moradores tranquilos, os nativos da Prainha são conhecidos como bem-te-vis, pois protegem o seu ninho. Aqui é seguro, mas à noite geralmente subimos a trilha em grupo. Um espera o outro embaixo, e subimos em grupo de 10 pessoas. Na temporada de verão, quando há muitos turistas, há um posto da Policia Militar para ajudar na segurança. Mas nunca tivemos problemas”, diz Janice.

Padaria da Prainha Branca
Padaria da Prainha Branca

Prainha Branca, recebe diversos turistas o ano todo: surfistas atrás das ótimas ondas da praia, pessoas querendo relaxar com o clima do lugar, amantes do ecoturismo que querem fazer trilhas, pessoas que se identificam e tem curiosidade pelo estilo de vida caiçara.

Resumindo, já passou da hora de conhecer a Prainha Branca.

Andando pela comunidade
Andando pela comunidade

Atualmente as comunidades caiçaras estão tendo seu estilo de vida ameaçado. E para explicar melhor a situação, retirei este trecho do site Ecoturismo e Aventura, alertando sobre essa grande ameaça:

“A cultura caiçara está ameaçada pela especulação imobiliária e a pesca predatória. Este processo está facilitado tanto pelo elevado grau de analfabetismo, falta de educação e informação como também pela falta de união e organização entre eles. Este comportamento está motivado desde questões fundiárias, interpessoais e religiosas até a falta de meios de comunicação como telefone ou correios. A existência da cultura caiçara vai depender do fornecimento de serviços básicos de saúde, educação, transporte marítimo coletivo, luz, saneamento básico e alternativas de renda como por exemplo o ecoturismo” – Turismo de Aventura / Trekking.

Vista obtida na trilha para Prainha Preta
Vista obtida na trilha para Prainha Preta

Onde se hospedar na Prainha Branca

Como já falei, a Prainha Branca possui diversas opções de hospedagem. Logo que chegar na comunidade, você vai dar de cara com diversas opções de campings, e pousadas.

IUHULLLLLL
IUHULLLLLL

Escolhemos o camping que fica após o lago que tem na praia. Para chegar até lá basta seguir à esquerda da entrada da praia, andar uns 10 minutos e dar de encontro com o camping.

Recomendamos MUITO esse camping, que custou R$ 30 por pessoa. Com banho quente e tudo muito limpo. O melhor do camping é que a vista é de frente para o mar 😀

Nosso acampamento
Nosso acampamento

As outras pessoas se hospedaram em uma das pousadas, por R$ 60 cada, em um quarto compartilhado. Sem café da manhã. Infelizmente não anotamos o nome da pousada.

Vista da nossa Barraca
Vista da nossa Barraca

O que fazer na Prainha Branca

Prainha Branca é um excelente lugar para entrar em contato com a natureza, e respirar um ar puro, tão raro para nós que vivemos em cidade grande. Diferente das praias mais visitadas no litoral de São Paulo, a Prainha Branca possui pouquíssima interferência humana. O que torna ainda melhor o contato com a natureza.

Apesar da Prainha Branca não ser muito grande, o mar é dividido em duas regiões. À esquerda, as ondas são mais agitadas, e o mar mais forte, atraindo mais os surfistas interessados em ondas maiores. À direita o mar é mais tranquilo.

Atravessando a praia para chegar na pequena Ilhota
Atravessando a praia para chegar na pequena Ilhota

Existe um pequeno lago de água doce, que você pode se banhar para refrescar do calor (infelizmente estava interditado no final de semana). E em frente a praia tem uma pequena ilha, que é possível chegar a pé quando a maré está baixa.

Para quem gosta de tomar uns drinks e comer uma ótima porção, é só ficar em um dos poucos bares encontrados na praia. A grande diferença de ficar no quiosque da Prainha Branca é que você não vai ouvir buzinas de carro 😀

Tomar uma cervejinha na praia, sempre bom
Tomar uma cervejinha na praia, sempre bom

Agora para os amantes de ecoturismo, a Prainha Branca é um prato CHEIO. Saindo de lá é possível fazer três trilhas (todas partindo do mesmo lugar):

  • Prainha Preta: trilha com duração de 20 minutos. A trilha é fácil, passando por uma mata fechada, e chegando à uma praia praticamente deserta;
  • Cachoeira da Prainha Branca: trilha com duração de 1h, um nível de dificuldade não TÃO FÁCIL assim. Mas também, tranquila de encarar. Mas vá preparado para levar um escorregão, e sujar o bumbum de lama;
  • Praia do Camburizinho: após chegar na Prainha Preta, é necessário continuar a trilha por mais 1h até chegar na Praia de Camburizinho. Não fomos, mas 2 amigos foram, e disseram que a praia é mais vazia ainda.
Desbravando na trilha
Desbravando na trilha para Prainha Preta

Onde comer na Prainha Branca

Quando terminamos de armar nossas barracas, o relógio já marcava 13h e decidimos almoçar. Como já falamos, a comunidade possui uma estrutura bem legal. Então se quiser economizar ou estiver no clima de cozinhar, é só passar na mercearia e comprar os ingredientes. Ou então gastar um pouco mais, e comer em alguma das opções de restaurante.

Prainha Branca
Prainha Branca

Na praia existem 3 quiosques principais. Os preços não variam muito de um para o outro.

Escolhemos o Larica’s Point para almoçar. Pedimos 1 comercial para duas pessoas, e 1 comercial para 1 pessoa e dividimos em 4 pessoas. Pedimos também 4 sucos naturais de goiaba e dois refrigerantes.

A refeição inteira dividida em 4 pessoas custou  R$ 110. R$27,50 para cada (consideramos justo).

Larica's Point
Larica’s Point

De noite fomos em uma pizzaria grande que existe na Prainha Branca. Não anotamos o preço :/, mas o custo benefício foi muito bom! Pedimos uma pizza salgada, e uma pizza doce. E as duas OH! APROVADAS!

Prainha Branca
Prainha Branca

Curtindo o dia na Prainha Branca

Vamos falar pra vocês, o que consideramos ser os itens essenciais para aproveitar um dia na praia:

  • Bola de vôlei
  • Chinelo
  • Toalha
  • Canga
  • Espírito de Good Vibes
  • REPELENTE! MUITOS BORRACHUDOS NA PRAIA!
Nóis curtindo a travessia para ilhota
Nóis curtindo a travessia para ilhota

Ao final do dia, mortos de cansaço, fomos para nossa barraca. Dormir ao som do barulho das ondas mar.

Prainha Branca
Prainha Branca

Próximo Dia

Paulistano de 26 anos, que ainda mora em São Paulo, e trabalha como Analista de Sistemas. Alguém que só percebeu o tamanho do mundo quando colocou pela primeira vez a mochila nas costas, e a partir de então passou a enxergar o mundo em uma outra perspectiva. Uma perspectiva menos “de eu” e mais “de todos”. Uma pessoa que vive em uma utopia de crer que o mundo pode ser um lugar diferente.

COMENTÁRIOS

11 COMENTARIOS
  1. escrito por
    Aline
    jan 12, 2017 Responder

    O lugar é sensacional! A trilha é bem tranquila mesmo com a barraca lona e afins

    • escrito por
      Mari Sanefuji
      jan 18, 2017 Responder

      Oi Aline!
      A Prainha Branca é incrível né? Nós adoramos ir para lá, vamos várias vezes ao ano.
      É muito perto de São Paulo, e ao mesmo tempo nos dá uma tranquilidade que não temos aqui.
      Compartilha suas experiências com a gente!
      Abraços!

    • escrito por
      Carla
      jan 31, 2017 Responder

      Olá aline e a comida para comer lá na prainha é caro tipo um pf?

  2. escrito por
    Carla
    jan 31, 2017 Responder

    Estou. Querendo ir muito nessa praia branca ja fui na praia do eden é show linda.fui na da barra do una peruibe tambem é show so a estrada que não é muito boa.vou ver se vou neste domingo.adoro lugares assin.jan 30\01\2017.

    • escrito por
      Mari Sanefuji
      fev 5, 2017 Responder

      Olá Carla,
      tudo bom?

      Lá é muito gostoso, não sei se é igual a Barra do Una. Nunca fui para lá, mas o que ouço falar é que lá é muito natural, né?
      A Prainha Branca não é tããão natural assim, mas surpreende pois é muito perto da cidade. Vale a pena conhecer 🙂
      E a comida lá não é cara, hoje em dia existem mais restaurantes, e dá para achar PF pelo preço de um PF de São Paulo!
      Abraços e boa viagem!!

  3. escrito por
    Fernanda Caroline
    set 19, 2017 Responder

    Olá Bom Dia!!!
    Adorei o post sobre a prainha, bom eu tenho uma pergunta relacionada ao Camping, eles alugam barracas lá? Por que eu não tenho barraca e estou só com o dindin da viagem mesmo.

    Obrigada.

    • escrito por
      Mari Sanefuji
      set 23, 2017 Responder

      Oi Fernanda!
      Tudo bom?

      Poutz, pior que não sabemos te informar sobre isso 🙁 Mas existem algumas opções de pousada com preços que variam de R$70 a R$120 por pessoa, se você for com um grupo, pode ser que valha a pena também.

      Ou, se você preferir, dá uma ligada na Pousada Larica’s (que é a maior da prainha branca), e pergunta para eles se eles tem barraca para alugar, ou se sabem se outros campings tem: (13) 3305-6105

      Qualquer outra dúvida, estamos aqui 🙂

      Beijos,
      Mari

  4. escrito por
    kaike
    out 12, 2017 Responder

    irei amanha na prainha branca e acampar por la mesmo e logo apos fazer as trilhas pra prainha preta e pra cachoeira contando as horas para estar la

    • escrito por
      Mari Sanefuji
      out 19, 2017 Responder

      Oi Kaike,
      já foi? Espero que tenha curtido, e que tenha dado tudo certo 🙂
      Depois nos conta o que achou!
      Abraços,
      Mari

      • escrito por
        Jéssica
        nov 3, 2017

        Oiii Mari
        Qual o nome do camping que vocês ficaram na prainha branca?

      • escrito por
        Mari Sanefuji
        nov 15, 2017

        Oi Jéssica, tudo bom?
        Não sabemos o nome, nem sei se o camping tem nome aliás :/
        Mas é só chegar na areia da prainha branca, entrando pelo Larica’s bar e seguir andando para o lado esquerdo da praia. Lá no final da praia você vai encontrar 2 campings, a gente costuma ficar no camping que tem umas barracas com visão para o mar.
        Abraços e boa viagem! 🙂

Deixe uma resposta

Top