Equador – Baños

Resumo do relato

História, Cidade, Vulcão Tungurahua, Como Chegar, Onde se hospedar, Onde Comer, O que fazer, Rapel, Ciclismo até Puyo, Rio Pastaza e Baladas em Baños

——————————————————————————————————————————————————————

Acordei cedo no meu quinto dia de viagem pelo Equador. Pronto para sair de Otavalo, rumo à cidade de Baños. Uma das poucas cidades serranas do país. Que dá acesso à região amazônica equatoriana.

Mais uma vez o país mostra o quanto é apaixonante. Pois em apenas 6 horas de ônibus deixei a região dos Andes Equatorianos, para chegar à região amazônica. O que me fez refletir sobre como é fácil observar uma diversidade natural tão abundante no Equador.

La Casa Del Arbol
La Casa Del Arbol

E para mostrar que não estou exagerando. Em 2013 o Equador recebeu prêmio de melhor destino de ecoturismo do mundo.

Podemos resumir a natureza do Equador da seguinte forma: a Amazônia, os Andes, os vulcões, a região litorânea, e as Ilhas Galápagos. E o grande diferencial para mim é a facilidade que se tem para chegar nos lugares.

Sobre essa minha viagem pelo Equador. Você pode também acompanhar outros relatos que já publiquei aqui:

O que fazer em Quito – O TelefériQo e o Vulcão Pichincha

Equador – Otavalo

O qua fazer em Otavalo – Laguna Cuicocha

História de Baños

Baños possui uma das histórias mais tranquilizadoras para se contar.

Pois ao contrário da maioria das cidades fundadas na América do Sul. Que tem uma história com vários capítulos de violência, Baños se destaca pela harmonia das pessoas que por ali viveram. Que encontraram um local onde poderiam ter paz.

Existe uma confusão sobre o surgimento da cidade. Alguns lugares dizem que Baños teria sido fundada em 1553, mas isto não é verdade.

O que aconteceu nesse ano foi o surgimento de um grupo de espanhóis responsáveis por evangelizar a população. Porém a região já era habitada, e não só por índios. Mas também por espanhóis e mestiços.

Cidade de Baños
Cidade de Baños

Segundo dados históricos, Baños não possui um fundador.

Seu surgimento se deu com a chegada de pequenos povoados, de diferentes etnias. Como índios, espanhóis e mestiços. E o primeiro desses povos a chegar na região, vieram daqui do Brasil.

Índios vindos da região de Lagoa Santa, que tinham como objetivo chegar nos limites dos Andes do continente. E por sorte encontraram esse paraíso.

Você pode estar se perguntando agora. “Índios e espanhóis… e nenhuma violência?”.

Foi uma surpresa para mim também, uma surpresa MUITO BOA.

Nossa vida inteira aprendemos que o ser humano é um ser maligno, que pisa em cima de tudo em busca do poder, e o poder é seu maior anseio na vida. E ler que povos de diferentes etnias, conviviam em harmonia entre si e a natureza, mostra que podemos seguir um caminho diferente.

Cidade de Baños

Baños (também conhecida como Baños de Água Santa) está localizada a 1.800m acima do nível do mar (nada que seja muito perceptível). Ao lado da Amazônia, e aos pés do vulcão ativo Tungurahua.

Possui 20.000 habitantes e fica apenas 3h30 da capital, Quito. Possui ótima estrutura para turismo com diversas opções de hospedagem, restaurantes, e passeios. E o melhor é que tudo isso tem um preço bem em conta.

Baños é um dos destinos mais procurados no Equador. Está localizada em uma região privilegiada, além de ser uma das únicas cidades do Equador que dão acesso relativamente fácil à Amazônia EquatorianaBaños é rodeada por vulcões (Cotopaxi, Sangay, Chimborazo, Tungurahua), cachoeiras, florestas, fontes de águas termais. O que faz da cidade um destino OBRIGATÓRIO para os amantes de natureza.

Vulcão Tungurahua
Vulcão Tungurahua

Além da beleza da paisagem e de seus arredores, Baños  se destaca pela prática de esportes radicais.

O que atrai viajantes de todo o mundo que buscam uma boa dose de adrenalina: rafting por corredeiras em cachoeiras, expedições pela Amazônia, cavalgadas por caminhos formados por lavas de erupções recentes, ciclismo, rapel em cachoeiras, e escalada dos vulcões Cotopaxi e Chimborazo.

A cidade é BEM pequena. Tanto que fazer uma das trilhas pelos arredores de Baños, é como se estivesse em uma grande vila construída na floresta Amazônica. E a vantagem de ser pequena é que se pode fazer tudo a pé.

Centro da Cidade (foto da internet)
Centro da Cidade (Fonte: Volto Logo)

A principal rua de Baños é a  rua Ambato, onde estão localizados a maior partes dos restaurantes, e lojas. Outro ponto importante de referência é a Basilica de La Virgen, que fica de frente com a principal praça da cidade, e é onde se localizam diversas opções de hospedagem e agências de viagem.

Mapa de Baños (retirado do livro Guia Criativo para o Viajante Independente)
Mapa de Baños (retirado do livro Guia Criativo para o Viajante Independente)

Vulcão Tungurahua

O Vulcão Tungurahua, que em quechua significa “Garganta de Fogo”, possui 5.061m de altura, e é um vulcão ativo.

ATIVO MESMO, pois durante sua passagem pela cidade vai ser bem comum observá-lo como se o mesmo estivesse vivo.

E falo isso por experiência própria, pois em uma das noites que estive em Baños consegui ver raios vermelhos no céu BEM de longe, que depois me falaram que era o Tungurahua “espirrando”.

Mas assim como eu, vocês devem estar pensando que não é seguro ter um vulcão ativo perto assim. E não, não é mesmo nada seguro. O vulcão causa grandes preocupações aos moradores de Baños até hoje.

Segue abaixo um vídeo que eu fiz do vulcão às 17h, realmente impressionante.

Em outubro do ano de 1999, o Tungurahua acordou, e continua ativo até os dias de hoje.

Neste ano o “Garganta de Fogo” colocou todos os habitantes para fora de Baños, que só foram retornar em janeiro de 2000. Nesse tempo o acesso à cidade foi controlado pelo exército, as casas ficaram temporariamente abandonadas, e as ruas vazias. Já que estavam em constante ameaça de soterramento pela lava, ou intoxicação pelo pó que emanava do vulcão.

A partir de 1999 o vulcão passou a ter períodos variáveis de grande atividade. Tanto que nos anos 2006, 2008, 2010, e 2014, o Tungurahua apresentou fortes erupções.

Para se ter uma idéia da força do vulcão, em 16 de agosto de 2006 (nessa data a população já havia evacuado pois o vulcão apresentava sinais de atividade desde o dia 15 de julho), as 8h25 o vulcão expeliu uma “coluna” de 8 km de lava. E junto com a lava, muitas e muitas rochas, foram “cuspidas” pelo “Garganta de Fogo”.

Essa erupção fez com que cidades da região, como Ambato Chimborazo, ficassem completamente cobertas por cinzas, obrigando a evacuação de quase 5 mil pessoas, e penalizando diversas plantações. Baños nesse caso teve sorte, pois se manteve apenas em estado de alerta e sofreu nada.

Mas apesar de tudo isso, não é preciso ter medo de ir para Baños. O Equador possui um observatório especial (Instituto Geofísico – EPN) para acompanhar as atividades vulcânicas do Tungurahua, e a população de Baños vai te ajudar caso o “Garganta de Fogo” grite enquanto você estiver por lá.

Vulcão em erupção no ano de 2010
Vulcão em erupção no ano de 2010 (Fonte: viagem UOL)

Como chegar em Baños

A partir de Quito, Ambato e Riobamba há muitos ônibus durante todo o dia. E não é necessário comprar passagem com antecedência. Como eu estava em Otavalo, primeiro peguei um ônibus para Quito  U$ 2,50.

Terminal Quitumbe em Quito
Terminal Quitumbe em Quito

Na cidade de Quito, existem dois terminais de ônibus:

  • Carcelen na parte norte da cidade. Que reúne rotas para destinos ao norte de Quito. Utilizei esse terminal para ir à Otavalo;
  • Quitumbe na parte sul da cidade. Que reúne rotas para destinos ao sul de Quito. Os destinos mais famosos são: CotopaxiCuencaGuayaquil e Baños.

Chegando em Quito desembarquei no terminal Carcelen. Peguei um táxi que me custou U$ 7 até o terminal Quitumbe, e comprei minha passagem com destino à Baños por U$ 3,50.

A viagem durou apenas 3h30, e foi bem, BEM legal. Quando entrar no ônibus, sente-se preferencialmente do lado esquerdo para apreciar os diversos vulcões da paisagem (isso se o tempo estiver aberto, claro) com maior destaque ao Cotopaxi na metade do caminho.

Arredores da cidade
Arredores da cidade

O terminal de ônibus de Baños fica na Av. de las Amazonas, apenas três quadras do centro, onde fica a Basilica de La Virgen. Principal ponto de referência da cidade.

Onde se hospedar em Baños

Baños é um dos lugares mais prazerosos de se procurar hospedagem. O custo benefício da maioria das hospedagens é mais do que justo, é realmente muito bom!

Com diversas opções de hospedagem que vão desde hostels mais simples, até pousadas mais confortáveis, a maioria das opções está localizada nos arredores da Basilica de La Virgen.

No meu caso eu fiquei no Erupcion Hostel Baños. Me hospedei em um quarto misto para 4 pessoas por U$ 8.

A hospedagem foi uma das melhores que tive em todas as minhas viagens.

Tudo muito limpo, camas confortáveis, lockers individuais nos quartos, e um ótimo café da manhã. O hostel é de uma família, sempre muito simpática e solícita. E as pessoas que ali trabalham são em sua maioria viajantes, que trocam o serviço por hospedagem.

Onde comer em Baños

Comer em Baños é tão fácil, barato, e gostoso como em todo Equador. As opções são bem variadas e a maioria localizadas no centro da cidade.

No meu caso, eu comi na maioria das vezes no próprio hostel. Um delicioso almuerzo, por apenas U$ 3, que incluía sopa de entrada, prato principal com arroz, salada, abacate, frango ou peixe. E para completar um suco de framboesa. OH tudo uma diliça.

Almuerzo
Almuerzo

Para jantar teve apenas um dia que eu não comprei “porcarias” no mercado. E nesse dia eu fui em um pequeno pub que não me lembro o nome, mas que valeu muito a pena. Tomei uma amostra de cada tipo de cerveja por U$ 8, e não jantei,  já que tinha ostentado nas cervejas, haha.

CERVEZA!
CERVEZA!

O que fazer em Baños

Como citei diversas vezes no relato, Baños é destino certo para os amantes de natureza.

Possui uma grande quantidade de atrações, e passeios aos seus arredores. Tanto para quem deseja apenas contemplar as paisagens relaxando nas sagradas águas termais da cidade, quanto para quem deseja ir em um dos diversos mirantes para contemplar os vulcões à sua volta.

E para aqueles que querem curtir a natureza de forma mais radical, pode-se fazer ciclismo, escaladas em vulcões, rapels em cachoeiras e até conhecer as reservas indígenas na floresta amazônica.

Para mim, o passeio mais marcante, foi visitar o famoso Balanço do Fim do Mundo, também conhecido como Casa del Arbol. Imagine só visitar um balanço, no topo de um abismo, a 3km do vulcão ativo Tungurahua?Reservei um post só para falar desse inesquecível balanço aqui.

Balanço do fim do mundo
Balanço do fim do mundo

Abaixo, listei as atrações que você pode ver dentro da própria cidade:

  • Termas: uma das principais atrações de  Baños, são piscinas (piscinas artificais =/) abastecidas com águas termais de origem vulcânica. Chegam a 42°C, e dizem ter um forte poder medicinal.Essas piscinas estão espalhadas por várias regiões da cidade, todas com o mesmo preço de entrada, U$ 2. A mais famosa (e a que fica mais lotada) é a Baño de la Virgen, que é a única que abre a noite (o preço sobe para U$ 3), e possui uma água com um tom mais escuro devido a grande quantidade de minerais.

    Também destaco a Baños Eduardo, para aqueles que gostam de nadar, pois a piscina possui 25m de águas naturais, porém frias (não fui em nenhuma das termas).

Piscinas Termais
Piscinas Termais (fonte: trafficamerican)
  • Mirador de la Virgen de Baños: um mirante onde dizem ser possível ter uma visão privilegiada da cidade (eu não fiz esse passeio).Para chegar ao mirador é necessário fazer uma trilha que parte da Rua Maldonado, atrás do cemitério da cidade. Após uma pequena trilha, é necessário subir 459 degraus até chegar ao mirante.

    Ao longo do caminho, algumas esculturas nas rochas ilustram a crucificação de Cristo. Se tiver sorte e pegar um dia com um céu aberto, é possível observar os vulcões da redondeza.

Mirador de la Virgen Maria
Mirador de la Virgen Maria (fonte: Volto Logo)
  • Caminhar pelos arredores de Baños : com a vantagem de ser de graça (esse eu fiz), passar um dia inteiro sem rumo, andando pelas trilhas espalhadas pelas saídas da cidade é algo realmente incrível e inesperado.Em uma pequena caminhada é possível ver a cidade um pouco de longe, e nessa você se dá conta de que está em um dos lugares mais doidos que visitou por toda a vida. Uma pequena cidade construída aos pés da Amazônia.
Caminhando pelos arredores
Caminhando pelos arredores

Para quem está interessado em fazer esportes radicais, como rapel, rafting, bungee jump, é necessário escolher primeiro uma agência que faça os passeios. No meu caso eu fiz apenas o rapel, e fechei o passeio no próprio Erupcion Hostel Baños:

  • Rapel: U$ 15 passeio, saindo 7h e voltando as 13h;
  • Rafting: U$ 20. Há diversas opções de trechos de rafting, separados por níveis de dificuldade. Desde o mais básico ao mais avançado;
  • Canoeing: um passeio reservado para quem tem experiência no esporte. Custa U$ 20;
  • Bungee Jump no Rio Pastaza: no hostel só era possível reservar passeio para pular de uma ponte nos arredores da cidade. Custava U$ 10, até pensei em fazer mas não rolou coragem não.
Esportes radicais em Baños
Esportes radicais em Baños (fonte: Explore Ecuador)

Para passeios na Floresta Amazônica ou Escalada nos Vulcões, não tenho agências para indicar =/. Mas pesquisando um pouco descobri algumas informações sobre eles:

  • Floresta Amazônica: as agências oferecem passeios que variam de 2 a 15 dias (imagine só 15 dias pela Amazônia?).A floresta está dividida em duas áreas para visitação, uma chamada floresta primária, que corresponde à mata virgem, onde o homem exerce pouca ou nenhuma influência (esse demanda mais dias de passeio). E a outra área chamada floresta secundária, visitando áreas já ocupadas pelo homem, não sendo possível sentir toda intensidade da fauna e flora amazônica.

    Em ambos os tours, são feitas caminhadas na selva, passeios de canoa pelos rios, e visitas a comunidades indígenas;

  • Escalada nos Vulcões: diversas agências realizam passeios para os vulcões, Chimborazo (6.310m de altura), e o Cotopaxi (5.897m de altura).Os passeios duram dois dias, e se cobra U$ 240 em média. Com transporte, entrada ao parque, comida, refúgio para noite, equipamento e guia especializado.
Cotopaxi (foto da internet)
Cotopaxi (fonte: Ecuador Travel)
Chimborazo (foto da internet)
Chimborazo (fonte: Ecuador Travel)

E agora vou falar sobre o que eu fiz, em Baños.

Rapel em Baños

Reservei o passeio no próprio hostel, e  recomendo para qualquer pessoa. Os guias eram muito bons, e mesmo sem nunca ter feito uma atividade dessas, eles ensinaram com muita paciência.

O dia estava bem chuvoso e isso aumentou um pouquinho a dificuldade do rapel, pois a ideia era descer a cachoeira na parte mais seca. Porém com a chuva, tivemos que fazer com a água caindo na cara mesmo.

Os guias nos falaram que não tinha risco nenhum de tromba d’água nessa região, o que me deixou bem mais tranquilo.

Se preparando para o rappel
Se preparando para o rapel

O tour custou U$ 15, e incluía: transporte, equipamentos e guias.

Saímos as 7h e as 8h já estávamos colocando os equipamentos para começar o passeio.

Além de fazer o rapel, as trilhas são bem legais de ser feitas. No meio do mato mesmo, e diversas vezes é necessário passar por rios, tudo com auxílio dos guias.

Infelizmente não tirei fotos durante o tour, pois esqueci meu celular e minha câmera no hostel =/.

Queria ter uma foto minha fazendo o rappel hahaa
Queria ter uma foto minha fazendo o rappel haha (fonte: The Adventure Junkies)

Por volta das 13h já estava no hostel. Passeio totalmente recomendado 😀

Ciclismo até Puyo

Pagando U$ 6, aluguei uma ótima bicicleta para 8h de uso (não me lembro em qual agência aluguei a bike, mas se atente em sempre verificar as condições da mesma), e peguei a estrada que liga Baños até Puyo.

A maior parte do trajeto é asfaltada, porém em diversas partes é necessário tomar bastante cuidado, pois em alguns pontos não há asfalto, e em outros a estrada é escorregadia devido à diversas quedas d’água no caminho.

Sempre tome bastante cuidado para não escorregar no caminho (foto da internet)
Sempre tome bastante cuidado para não escorregar no caminho (fonte: Ibike)

As grandes atrações do percurso são: a represa Agoyan, e a queda d’água Pailon del Diablo. Além de passar por diversas outras cachoeiras, e atrações de tirar o fôlego.

São diversas quedas d'água na estrada para Puyo
São diversas quedas d’água na estrada para Puyo

O trajeto de Baños até Pailon del Diablo tem uma extensão de 20km, e a maior parte é descida.

Na volta ao invés de pedalar TUDOOO de volta, é possível pegar um ônibus, pagando uma passagem adicional pela bicicleta. Ou mais fácil ainda, pegue carona :D.

Mais um vez não fiz todo o trajeto, pois sai meio tarde para pedalar, e acabei vendo apenas a represa de Agoyan e não cheguei até Pailon del Diablo. Mas ainda vou voltar lá.

Represa de Agoyan
Represa de Agoyan

Também é possível continuar a estrada por mais 40km até a cidade de Puyo 😀

Pailon del Diablo (foto da internet)
Pailon del Diablo (fonte: Guia Viajar Melhor)

Rio Pastaza

Caminhar pelas margens deste rio, é uma das melhores caminhadas para conhecer os arredores de Baños.

Logo no começo é necessário atravessar uma ponte bem… Digamos assim, “rústica”. Daquelas que imaginamos nos filmes, em cenas que a ponte estoura ahaha.

E nessa mesma ponte é possível fazer bungee jumping por apenas U$10. Isso eu não fiz.

Rio Pastaza
Rio Pastaza, embaixo pode-se observar a ponte maluca

Baladas em Baños

Aos finais de semana, a cidade fica bem cheia. Diversos turistas, não só do Equador, mas do mundo inteiro, aparecem por lá.

E isso faz com que a cidade fique bem movimentada. A maioria das baladas custa de U$ 2 a U$ 3 de entrada, ganhando um free shot.

O lugar mais famoso (e mais gringo de todos) é o Leprechaun Bar, que fica realmente lotado nos fins de semana.

O único dia que eu saí a noite em Baños, foi no dia que cheguei.

Gabriela e Yessica que trabalhavam no hostel estavam saindo com um grupo de argentinos para fazer algo, me convidaram, e claro que aceitei. Era bem cedo e não cobravam para entrar, passei em dois bares, tomei os shots de graça e voltei para dormir hahaha

O Famoso Leprachaum Bar (foto da internet)
O Famoso Leprechaum Bar (fonte: Muita Viagem)

E assim terminei minha passagem por Baños. Foram 2 noites e três dias na cidade, que além de me proporcionar todas as paisagens e experiências, pude conhecer amigos que levo para toda vida.

Tomando uns shots de graça
Tomando uns shots de graça
Paulistano de 26 anos, que ainda mora em São Paulo, e trabalha como Analista de Sistemas. Alguém que só percebeu o tamanho do mundo quando colocou pela primeira vez a mochila nas costas, e a partir de então passou a enxergar o mundo em uma outra perspectiva. Uma perspectiva menos “de eu” e mais “de todos”. Uma pessoa que vive em uma utopia de crer que o mundo pode ser um lugar diferente.

COMENTÁRIOS

4 COMENTARIOS
  1. escrito por
    Amanda Silva
    maio 19, 2017 Responder

    Você me fez apaixonar pela cidade com seu relato! <3

    • escrito por
      Douglas Henrique da Fonseca
      maio 20, 2017 Responder

      Ficamos muito, mas MUITO felizes mesmo com o comentário.

      Até parei para reler o post, me fez voltar na viagem. 😀

      Aposto que ao conhecer a cidade você vai se apaixonar mais ainda! Parece que você mudou de planeta (tudo bem um pouco de exagero).

      Está pensando em conhecer o Equador?

  2. escrito por
    Marcela
    maio 21, 2017 Responder

    Olá, estou me programando para ir ao Equador, Baños está na lista ainda mais agora após seu relato. Dois dias são suficientes para conhecer a cidade, o balanço e a rota das cachoeiras?

    • escrito por
      Douglas Henrique da Fonseca
      maio 21, 2017 Responder

      Que bom que está se programando pra ir pro Equador! Pode ter certeza que o país vai te surpreender e muito! Eu fiquei impressionado com a estrutura e a segurança do país.

      Ahhh, são suficiente sim! A rota das cachoeiras deve levar de 4h a 5h fazendo com calma.

      O balanço se for de trilha é um pouco demorado, mas caso esteja com tempo apertado da pra pegar um táxi que sobe até lá rapidinho.

      Eu recomendaria tentar encaixar mais um dia de segurança, pois Banos é uma cidade que chove bastante.. Então no momento que ver o céu abrindo é a hora de sair correndo para o balanço para ter uma vista fantástica!

      Se precisar de mais dicas do Equador só falar passei 30 dias por lá (ainda não escrevi todos os posts)

Deixe uma resposta

Top