Buenos Aires em 03 dias – Dia 03

Resumo do relato completo:

Planejamento da viagem: Roteiro de Viagem, Itinerário no MyMaps, Geografia da Argentina, História da Argentina, Economia da Argentina, Migração na Argentina, Cultura Argentina, Câmbio da Argentina, Informações Importantes da Argentina e Curiosidades da Argentina

Dia 01: História, Informações importantes, Como Chegar, Onde se hospedar

Dia 02: Itineário no My Maps,O que fazer, Escultura da Mafalda e o Paseo de La Historieta, Zajón de Granados e Casa Mínima, Uma discoteca projetada por Gustavo Eiffel, Avenida 9 de Julho e o Obelisco, Teatro Cólon, Livraria el Ateneo, Buenos Aires Design, Museo Memorias de la Dictadura Militar, MALBA

Dia 03: Itinerário do My Maps, Bairro de San Telmo, Feira de San Telmo, La Libreria de Avila, Plaza de Mayo, La Boca, El Caminito, Grafites em La Boca, Puerto Madero, Museo Fragata Sarmiento e Puente de La Mujer

——————————————————————————————————————————————————————

Dia 03

Acordamos cedo no domingo para aproveitar nosso terceiro e último dia em Buenos Aires.

Começamos tomando um cafézão da manhã no hostel que nos hospedamos, o Art Factory, onde o café da manhã incluía: café, leite, suco (de pó, mas ta incluído né :D),  água, pães, manteiga, doce de Leite. Enchemos o bucho, e saímos para desbravar a Feira de San Telmo.

Itinerário do My Maps

Para ficar mais fácil de entender o que tem para fazer na cidade, criamos um mapa utilizando o Google My Maps com os pontos turísticos separados por bairro.

Bairro de San Telmo

Buenos Aires foi fundada em 1536. À partir desse ano, a Argentina passou a receber ainda mais imigrantes europeus. Muitos em busca de melhores oportunidades, querendo ralar, e construir uma vida no novo continente.

E muitos vindos de famílias ricas, nobres, aristocratas. Que vieram para “curtir a nova Europa”.

Buenos Aires - Librarria Avila - GoPro(1)

As famílias ricas logo se ocuparam do bairro de San Telmo, construindo casas e edifícios seguindo a última tendência de arquitetura da época. Foram anos de muito investimento no bairro, que cresceu e se tornou o mais importante da cidade.

Essa hegemonia durou até o ano de 1871, quando não só Buenos Aires, mas toda a Argentina, sofreu com a epidemia da febre amarela. Fazendo com que as famílias mais ricas abandonassem sua residência.

De uma hora pra outra, o bairro passou a ser considerado um local abandonado na cidade.

Edifícios Gigantescos e Antigos em San Telmo
Edifícios Gigantescos e Antigos em San Telmo

1871 – A Epidemia de Febre Amarela e o Renascimento de San Telmo

Um ano muito triste para a história dos portenhos, e como sempre, pior para os menos favorecidos. Morando em regiões com menos estrutura, foram os mais atingidos pela epidemia.

Todos se surpreenderam ao saber que San Telmo, um bairro de famílias tão nobres, pudesse ser foco da epidemia.

As famílias mais ricas “nada puderam fazer” e saíram do bairro. De uma hora pra outra, o bairro mais moderno da cidade foi abandonado.

Casa Mínima
Casa Mínima

E se não fosse isso, hoje o bairro não seria tão atrativo quanto é hoje. Nessa época muitos(a) artistas, intelectuais, e famílias mais humildes aproveitaram a desvalorização das residências e se mudaram para o bairro.

Usaram toda estrutura e arquitetura de San Telmo para promover um estilo de vida mais boêmio, mais simples, e mais artístico. Um estilo de vida que acompanha o bairro até os dias de hoje, e nos encanta a cada esquina que passamos.

Ouvindo um batuque em San Telmo
Ouvindo um batuque em San Telmo

1871 – A Epidemia de Febre Amarela e o Sumiço dos Negros na Argentina

Já pararam para se perguntar: Por que na Argentina não existem negros?

O comércio negreiro aconteceu na Argentina entre os séculos XV e XIX, estamos falando de 400 ANOS! Existem dados de 1778 mostrando que a população negra chegava a 54% em algumas partes da Argentina. Em menos de 100 anos esse percentual caiu para 1,8% 😕.

A abolição da escravidão se deu em 1853, e assim como aconteceu no Brasil, os negros “se tornaram livres”, porém sem nenhum tostão no bolso.

Foto de San Telmo por volta de 1871
Foto de San Telmo por volta de 1871

Foram forçados então a morar nas regiões mais periféricas do país, e eram sempre os primeiros a se “voluntariar” para as guerras.

Vivendo em áreas com péssimas condições de moradia, os negros foram os mais afetados pela epidemia de febre amarela. Soldados argentinos impediam que os moradores saíssem dos bairros, com medo da epidemia se alastrar para os brancos.

Las Calles de San Telmo
Las Calles de San Telmo

Nos anos seguintes, começou a se vender a ideia do “embranquecimento da população”, com a estúpida justificativa de que os brancos eram geneticamente melhores que os negros. Incentivando as mulheres negras a se envolverem com homens brancos. E assim, ano após ano, a cultura africana foi extinta dos pampas.

Feira de San Telmo

Muitas residências/mansões que foram abandonadas em 1871, hoje dão palco à galerias de arte, casas de tango, restaurantes, e principalmente ANTIQUÁRIOS!

Bem Vindo a San Telmo!
Bem Vindo a San Telmo!

Dizem que o bairro de San Telmo possui mais de 500 antiquários cadastrados! Vendendo peças que pertenciam às antigas famílias, e também itens seculares importados da Europa.

A Feira de San Telmo, foi criada pelo arquiteto  José María Peña em um domingo de 1970. Contando com apenas 30 barraquinhas em sua primeira edição (sendo que duas delas, eram de amigos de José Maria Peña, que foram obrigados por ele a participar). A feira foi se popularizando, passando a acontecer todos os domingos do ano.

Feira de San Telmo
Feira de San Telmo

Hoje a Feira de San Telmo é considerada a mais tradicional da Argentina. Conta com 270 barraquinhas, e recebe cerca de 10.000 pessoas todos os domingos das 10h às 17h.

Os restaurantes sempre charmosos
Os restaurantes sempre charmosos

Começando na Calle Defensa, a feira se estende por todo o bairro.

Plaza Domingo na Feira de San Telmo
Plaza Domingo na Feira de San Telmo
Feira de Antiguidades
Feira de Antiguidades
Feira de San Telmo
Feira de San Telmo

São muitas barraquinhas, vendendo diversos itens. Se destacando os objetos antigos, comidas artesanais, roupas, e muito artesanato. E cada barraca com itens mais interessantes que as outras.

Feira de San Telmo
Feira de San Telmo
Artesanatos dos mais variados
Artesanatos dos mais variados
Feira de San Telmo
Feira de San Telmo

Andando pela feira, com certeza você dará de encontro com o Mercado de San Telmo. Fundado em 1897, e considerado Patrimônio Histórico Nacional, o mercado sempre funcionou do mesmo jeito. Com diversas barracas de: açougue, peixe, legumes, floricultura, padaria, sapataria, e por aí vai!

Mercado de San Telmo
Mercado de San Telmo
Mercado de San Telmo
Mercado de San Telmo

São tantas coisas bonitas, chamativas, e comidas deliciosas que fica difícil não abrir a mão! Compramos alfajores, caderno, “chollinha”, alpargata. Não era barato, mas consideramos o preço justo.

Feira de San Telmo
Feira de San Telmo
Precisando de uma Cuia?
Precisando de uma Cuia?
San Telmo e seus Charmosos Restaurantes
San Telmo e seus Charmosos Restaurantes
Nossa Chollinha
Nossa Chollinha

La Librería de Avila

Um lugar também pouco conhecido pelos turistas, é a Librería de Avila. um lugar interessantíssimo para entender a história, e formação cultural dos nossos hermanos.

Buenos Aires tem sua cultura intimamente ligada aos livros.

Quando chegamos estava fechada
Quando chegamos estava fechada

A capital argentina é a cidade com maior número de livrarias por habitante em todo o mundo!

São 25 livrarias para cada 10 mil habitantes (vamos usar São Paulo como comparação, que possui 3,5 livrarias para os mesmos 10 mil habitantes).

E a atual Librería de Avila,  foi onde se vendeu o primeiro livro em Buenos Aires.

Em 1785, muito antes desse “pedaço da cidade” pensar em ser uma livraria, o farmacêutico Francisco Salvio Marull abriu um estabelecimento chamado La Botica, que vendia de tudo! Desde remédios a tabaco.

Librería de Avila
Librería de Avila

E foi nesse vende-tudo, que Francisco começou a trazer textos vindos da Europa, para segundo ele, “satisfazer as inquietudes bibliófilas” dos portenhos.

Em 1801, em La Botica, se vendeu o primeiro jornal de Buenos Aires, chamado de El Telégrafo Mercantil, Rural, Político, Economico e Historiográfo del Río de la Plata (nome todo pomposo).

Livraria Del Avila
Livraria Del Avila

Passaram-se os anos, e em 1830, La Botica deixou de vender de tudo para focar no ramo livreiro. E passou a se chamar de Librería del Colegio.

Em 1926 (depois de mudar de dono) o local foi demolido, e em seu lugar foi erguido um prédio com “estilo eclético” (não sei o que é um prédio desse estilo, li na internet), onde funcionou a editora Sudamericana entre 1929 e 1967.

Dentro da livraria
Dentro da livraria

Posteriormente foi vendido para uma cooperativa de ex-funcionários da Librería del Colegio, a livraria não vingou, e fechou em 1980.

FELIZMENTE, e muito felizmente, em 1993, um senhor chamado Miguel Ávila, um apaixonado por livros, e que era livreiro desde os 13 anos de idade, não deixou que essa parte da história fosse apagada, e comprou a antiga livraria.

A reforma levou mais de um ano, um trabalho quase arqueológico, devidos às preocupações de reviver a alma do lugar. E a partir de 1994, a livraria passou a se chamar Librería del Avila, onde Miguel continua vendendo livros junto com seu filho Facundo.

Por dentro da livraria
Por dentro da livraria

A livraria possui dois andares, no andar de cima, se encontram as novidades, os lançamentos. Já no subsolo encontra-se uma verdadeira riqueza, livros raros, que não são mais impressos.

O acervo é imenso e especializado em assuntos humanísticos, com destaque para temas argentinos e da América Latina.

Horário: segunda a sexta feira das 8h40 às 20h, e aos sábados e domingos das 10h às 14h e das 15h às 17h. Entrada gratuita.

Plaza de Mayo e Casa Rosada

Seguimos para Montserrat, para conhecer uma das praças mais importantes da Argentina e da América do Sul, a Plaza de Mayo.

Praça rodeada por prédios políticos importantes, destacando-se, o palácio presidencial La Casa Rosada.

GOPR0314A praça tem esse nome, em homenagem à Revolução de Maio de 1810, que deu inicio ao processo de independência das colônias da América do Sul.

Em 1816 foi nessa praça que se deu o grito de independência da Argentina, e em 1860 foi promulgada a Constituição Argentina.

Casa Rosada
Casa Rosada

A importância política da praça não se dá apenas no passado. É na Plaza de Mayo onde a história da Argentina continua a ser contada. Todos os protestos acabam acontecendo por ali.

Homenagem aos Soldados que lutaram pelos Ilhas Malvinas
Homenagem aos Soldados que lutaram pelos Ilhas Malvinas

Um exemplo disso foi o protesto de 1982 exigindo o fim da ditadura militar.

Plaza de Mayo
Plaza de Mayo

Andar pela praça, é sentir exatamente isso, é ver com os próprios olhos as insatisfações do povo argentino com a política do país. Com muitos cartazes, e movimentos ativistas acontecendo diariamente por lá.

Plaza de Mayo se tornou o principal símbolo de protestos em toda Argentina
Plaza de Mayo se tornou o principal símbolo de protestos em toda Argentina

Desde 1970 ocorre um protesto que já se tornou conhecido em todo o mundo. O protesto organizado pelo grupo “Mães de Praça de Maio”, que toda quinta-feira às 15h30 reúne mães que perderam seus filhos durante a ditadura militar, em frente a Casa Rosada. A fim de manter viva a memória de seus filhos.

Casa Rosada
Casa Rosada

La Boca

Localizado nas margens do Rio Riachuelo, rio de águas bastante poluídas, que separa Buenos Aires do distrito industrial de Avellaneda.

Rio Riachuelo
Rio Riachuelo

Historicamente colonizada por imigrantes italianos, principalmente advindos de Gênova. Construíram suas casas com o material que sobrava dos navios atracados no porto.

Casas com material de navio
Casas com material de navio

Conhecida inicialmente por ser uma região pobre e violenta, o turismo foi uma maneira de levar uma nova fonte de renda aos moradores de La Boca.

Las Calles de La Boca
Las Calles de La Boca

Dentre as calles, se localiza o El Caminito, com muitos restaurantes, casas pintadas, estátuas e dançarinos de tango. Uma típica região turística.

Bairro de La Boca
Bairro de La Boca

Andando por seus arredores, é possível encontrar ótimos restaurantes que retratam mais a cultura dos moradores do bairro.

La Boca também é conhecida entre os fãs de futebol, por conta do famoso time Boca Juniors. O time do  bairro que tem como estádio o gigantesco La Bombonera, e que revelou o craque Maradona.

Yo y Carlitos
Yo y Carlitos

Onde Comer em La Boca

Fomos andando desde Montserrat, até La Boca, uma caminhada de uns 40 a 50 minutos.

Entramos no bairro, e passamos pelo Estádio La Bombonera. Não paramos para visitar, mas o lugar estava CHEIO de gente visitando!

Entrada do Restaurante
Entrada do Restaurante

Caminhamos mais um pouco, e paramos para comer em um restaurante mais local do que aqueles que ficam pelos arredores do El Caminito (esses tem apelos turísticos demais, e são mais caros).

Paramos no restaurante “Los talleres” em frente à entrada principal do La Bombonera e pedimos a famosa Parrilla. um churrascão argentino, com todo tipo de carne que você pode imaginar: frango, linguiça, chorizo, e um monte de tipos de carne vermelha.

O prato ainda acompanhava pão francês, e arroz. Para beber pedimos uma jarra de um 1 litro de sangria! Confessamos, que foi coisa demais! Hahaha

La Parrilla
La Parrilla

Todos que trabalhavam no restaurante eram super simpáticos. La Boca tem um povo completamente diferente da região do centro. E esses que são de origem mais humilde, como acontece na maioria dos lugares que passamos, são as pessoas mais calorosas com a gente.

Melhor almoço!
Melhor almoço!

El Caminito

Depois de comer fomos conhecer o famoso El Caminito.

Toda a parte turística de La Boca se concentra na rua El Caminito (está indicada em nosso mapinha no tópico My Maps), e seus arredores.

El Caminito
El Caminito
El Caminito
El Caminito

Toda essa reformulação no bairro, ocorreu graças à um pintor, chamado Quinquela Martin. Que junto com outros amigos artistas, transformou algumas ruas de La Boca com pinturas, esculturas, mosaicos, murais e outras expressões de arte, tornando uma região antes abandonada, em um museu a céu aberto.

El Caminito
El Caminito
El Caminito
El Caminito
Carlos Garcia e Maradonna
Carlos Gardel e Maradonna

Quinquela Martín faleceu no ano de 1977, e em homenagem à esse grande artista, sua casa/ateliê se tornou um museu. O museu fica aberto todos os dias das 9h-18h com entrada gratuita.

El Caminito
El Caminito

Gostamos muito de tudo que vimos por lá, mas como toda área muito turística, existem os poréns: restaurantes caros, e a impressão que tudo que você fizer será cobrado. E claro, MUITA MUITA GENTE! Mas nada que tire a beleza do El Caminito!

Futebol em La Boca
Futebol em La Boca
Papa Francisco no El Caminito
Papa Francisco no El Caminito

Grafites de La Boca

Saímos da região do El Caminito, para começar a nossa caminhada até o bairro de Puerto Madero. Caminhando um pouco pelo bairro nos deparamos com lindos, e progressistas grafites. Merecendo um destaque 😀

Grafites em La Boca
Grafites em La Boca
Grafites em La Boca
Grafites em La Boca
Grafites de La Boca
Grafites de La Boca

Puerto Madero

Caminhamos mais um pouco, cerca de 5 minutos, até passarmos por 2 policiais.

Ambos nos chamaram, e logo perguntaram:

 -“vocês sabem por onde estão andando?”

-“sim, estamos indo para Puerto Madero, é por aqui não é?”

-“então, é perto…mas andar sozinho por aqui não é legal não, aconselharia vocês a pegarem um táxi. Vocês podem ser roubados no caminho”

Respiramos tristes, e seguimos o conselho dos policiais. Pegamos um táxi até Puerto Madero, a distância era curta, então saiu barato.

Bairro de Puerto Madero
Bairro de Puerto Madero

Puerto Madero foi a antiga zona portuária de Buenos Aires (daí o nome Puerto Madero). A partir de 1993, o bairro sofreu uma mudança drástica, no maior projeto urbanístico da história de Buenos Aires.

Um projeto que durou 7 anos e inaugurou um complexo de 170 hectares, onde armazéns foram substituídos por restaurantes, bares e discotecas.

Puerto Madero
Puerto Madero

Hoje a região destaca pela sua beleza arquitetônica. Como a  Puente de Las Mujeres, e um enorme navio, que também é museu, chamado de Museo Fragata Sarmiento.

No bairro existem muitos escritórios, movimentando bastante a área empresarial de Buenos Aires.

O bairro é realmente muito bonito! Uma arquitetura de primeiro mundo, com gigantescos prédios futuristas, dando um ar completamente moderno ao bairro.

Fim de Tarde em Puerto Madero
Fim de Tarde em Puerto Madero

O que na nossa visão o deixa menos atraente, são as diversas lojas de artigos de luxo (existe um restaurante da BMW no bairro), tornando o público mais elitizado. Mas se você curte um restaurante mais refinado, Puerto Madero é o lugar!

Bairro de Puerto Madero
Bairro de Puerto Madero

Puente de Las Mujeres e Buque Museo Fragata Sarmiento

Em Puerto Madero, se encontram os dois principais pontos turísticos do bairro. A Puente de Las Mujeres, construída em 2001, por um arquiteto espanhol chamado Santiago Calatrava. A obra representa um casal dançando tango, eu sinceramente não consegui enxergar isso não hahaha.

O belíssimo bairro de Puerto Madero
O belíssimo bairro de Puerto Madero

E o Buque Museo Fragata Sarmientonavio do final do século XIX, que entre 1889 e 1938 fez 37 viagens ao redor do mundo e funcionou até 1960. Foi declarado Monumento Histórico Nacional, transformado em museu. Só o vimos de longe mesmo.

Puerto Madero
Puerto Madero

Fim da Viagem

Voltamos caminhando de Puerto Madero até nosso hostel, o Art Factory, com o triste sentimento de ter acabado nosso tempo pela cidade. E registramos que o que tem de melhor a se fazer em Buenos Aires, é caminhar por suas ruas. Ruas lindas, movimentadas, calmas, rotineiras, divertidas, e monótonas, uma capital que é isso tudo junto, uma capital que poderíamos morar 😀

Nóis!
Nóis!

Chegamos no hostel, dormimos, e de madrugada o Transfer do Nestor estava na nossa porta no horário pontualmente indicado, para nos levar até o aeroporto de Ezeiza.

Dia Anterior

Paulistano de 26 anos, que ainda mora em São Paulo, e trabalha como Analista de Sistemas. Alguém que só percebeu o tamanho do mundo quando colocou pela primeira vez a mochila nas costas, e a partir de então passou a enxergar o mundo em uma outra perspectiva. Uma perspectiva menos “de eu” e mais “de todos”. Uma pessoa que vive em uma utopia de crer que o mundo pode ser um lugar diferente.

COMENTÁRIOS

2 COMENTARIOS
  1. escrito por
    Vera
    jul 31, 2016 Responder

    Tudo de bom esse blog. Me senti caminhando pelas ruas de los hermanos. Valeu gente!

    • escrito por
      Douglas Henrique da Fonseca
      jul 31, 2016 Responder

      Olá Vera!

      Brigadão pelo elogio!

      Nos esforçamos não só para informar as pessoas sobre o que tem para fazer nos lugares.

      Queremos na medida do possível inspirar as pessoas, mostrar que cada ponto turístico tem uma história por trás, e conhecendo melhor estas histórias, a viagem se torna ainda mais transformadora 😀

      Abraço! E obrigado de novo 😀

Deixe uma resposta

Top