25 dias na Colômbia – Dia 01 em San Andres

Resumo do Relato Completo

– Planejamento do mochilão pela Colômbia: Roteiro, Previsão dos Gastos, História, Geografia, Economia, Migração, Cultura, Câmbio, Informações Importantes e Curiosidades da Colômbia

– Dia 01: Como chegar, Taxa de entrada, História, Geografia, Economia, Cultura, Onde se hospedar, O que fazer, Primeira Refeição, Praia Peatonal, Onde trocar dinheiro, Praia Spratt Bight, Onde comer, Banho de Água Salgada e Gastos do Dia

Dia 02: Dar a volta na ilha, Como alugar carrinho de golfe, Rocky Cay, Playa San Luis, Hoyo Soplador, Big Mama, Westview e Fim da volta à ilha

Dia 03: EcoFiwi Tour, Manglar Old Point e Fim da viagem por San Andres

——————————————————————————————————————————————————————

Como chegar em San Andres

Saímos às 3h da manhã de casa para pegar nosso voo pela TAM no Aeroporto de Guarulhos, às 5h45. 

Nosso voo para San Andres começaria com uma conexão por Bogotá, onde chegamos em 6 horas de voo. Em Bogotá pegamos um voo às 11h15 e chegamos em San Andres em 1 hora. Do avião, conseguíamos ver nitidamente as 7 cores do mar de San Andres, lindo demais!

San Andres de cima
San Andres de cima

O valor da passagem foi de R$1.745 cada um, com direito a voo multi-trechos que contemplavam 3 voos. Para saber melhor por quais cidades passamos, veja o nosso planejamento de viagem aqui.

Está pensando em ir para San Andres? Pesquise valores de passagens aéreas.

Taxa de entrada de San Andres

Para entrar em San Andres é necessário pagar uma taxa de entrada, pagamos no embarque do aeroporto de Bogotá. Mas quando a conexão é feita em outro lugar, o procedimento é o mesmo.

O legal é que eles aceitam cartão também, então se você não tiver dinheiro, não passa aperto! O valor foi de 52.500 pesos colombianos por pessoa (R$87 com cotação de R$1 = 602 COP).

História de San Andres

San Andres é uma ilha colombiana localizada no mar do Caribe, perto das ilhas de Providencia e Santa Catalina. Tem como línguas oficiais, o Criolo, o Espanhol e o Inglês.

Playa Peatonal
Playa Peatonal ao entardecer

San Andres apareceu em diversas rotas colonizadoras européias. Os ingleses foram os primeiros à chegar na ilha, em 1629.

Africanos foram levados pelos ingleses diretamente do Oeste da África e da Jamaica. Tornaram-se escravos nas plantações de tabaco e algodão.

E só em 1822, Luis Aury com as forças independentes de Simón Bolívar ocupou as ilhas. San Andres tornou-se então parte da Colômbia.

Nessa época foi assinada também a Constituição de Cúcuta, que determinava que toda criança nascida na Colômbia seria livre. Mas a escravatura mesmo só se encerrou em 1851.

Hoje San Andres tem: 45.5% da população branca e mestiça, 35.7% raizal (afrocaribenhos com ingleses), 18.7% negra e mulata, e 0.1% indígena.

Geografia de San Andres

San Andres é o único departamento da Colômbia fora do território continental. E se trata de um conjunto de ilhas e ilhotas localizados sobre uma plataforma vulcânica do mar do Caribe.

Playa Spratt Bight
Playa Spratt Bight

O arquipélago tem 350 mil km² e 44 km² de terra firme (sem contar as ilhotas). O que torna San Andres o departamento mais pequeno da Colômbia em superfície, e o maior em densidade populacional. Com 1.603,5 habitantes por km², e aproximadamente 76 mil habitantes no total.

Economia de San Andres

A economia de San Andres está baseada principalmente no turismo e no comércio. Mas os moradores da ilha ainda praticam a agricultura e a pesca de subsistência.

Antigamente se exportava bastante coco, e se produzia abacate, cana de açúcar, manga, laranja, mandioca e outros vegetais. Mas com os danos do solo e a urbanização de muitas áreas, essas atividades decaíram.

Playa Spratt Bight
Playa Spratt Bight

Quando visitamos San Andres, nos sentimos em uma colônia de férias. Lá é tudo voltado para o turismo. Quase não vemos pessoas locais, e o clima é sempre de compras, festas, e diversão.

Não é a toa que alguns moradores locais têm reclamado dos rumos da ilha.

Cultura de San Andres

Os nativos de San Andres são conhecidos como Raizais, e são pessoas bastante abertas e amáveis. Em nosso passeio de carrinho de golfe, passávamos por todos os cantos da ilha cumprimentando as pessoas.

Todas elas nos respondiam de forma alegre, e com um sorriso no rosto 🙂

Os locais costumam morar em habitações construídas de madeira própria para resistir à umidade e à alta temperatura da ilha. E para evitar incêndios, as cozinhas costumam ficar separadas do restante da casa.

A ilha é bastante humilde, e algumas casas são bastantes pobres. Mas aquelas que são de pessoas com melhores condições, costumam ser bem coloridas.

Passeio de carrinho de golfe por San Andres
Passeio de carrinho de golfe por San Andres

Entre os pratos típicos, estão: carne de tartaruga, bolinhas de peixe, feijões (sim, eles comem feijão, yes!), carne de iguana verde, carne de caranguejo negro, e rondon, um prato a base de leite de coco acompanhado de ingredientes como peixe, mandioca, inhame e plátano verde (que parece uma banana, mas não é uma banana).

E se tratando de música, San Andres possui diversos estilos musicais, todos vindos da Europa. Com exceção do reggae, que chegou nos anos 70 através da influência jamaicana, e hoje além de estar no ouvido dos isleños, estampa a identidade de diversos comércios da ilha.

Onde se hospedar em San Andres

Assim que desembarcamos em San Andres, caminhamos até a Posada Cultural Bahia Sonora.

Seriam apenas 15 minutos de caminhada, mas descobrimos que o endereço da pousada, que é: Sector Jhon Well, Av. Juan XXIII 5 137, para o Google Maps era “Carrera 8”. Nessa ficamos em uma busca infinita pela Carrera 8, que não existia.

Posada Cultural Bahia Sonora
Posada Cultural Bahia Sonora

Ficamos rodeando por San Andres por uns 30 minutos até chegar na pousada. E fica aí uma dica: não acredite no nome que o Google Maps dá às ruas de San Andres.

Escolher um lugar para se hospedar em San Andres foi uma tarefa difícil. Lá existe só um hostel, o El Viajero. Que apesar de parecer muito bom, na época que fomos estava infestado de bed bugs (percevejos de cama que são transportados pelas malas dos turistas).

Além deste hostel, San Andres tem algumas pousadas bastantes simples que não são tão baratas, e alguns hotéis carérrimos. 

Posada Cultural Bahia Sonora
Posada Cultural Bahia Sonora

Nossa busca por uma hospedagem se deu no Airbnb e no Booking. As opções de pousadas lá são muitas, e algumas são claramente melhores que as outras.

Mas o fator que nos fez decidir pela Posada Cultural Bahia Sonora (mesmo tendo um valor um pouco acima das demais) foi a localização, que permitiria que fizéssemos o trajeto até o centro a pé (economizando com táxi).

Muitas pousadas, algumas das mais bonitinhas, e mais baratas, ficam na Playa San Luis. Que é sinceramente a praia mais bonita de San Andres!

Posada Cultural Bahia Sonora
Recepção da Posada Cultural Bahia Sonora

Mas apesar de serem um pouco mais baratas, ficam longe do centro. E como havíamos lido na internet alguns relatos de pessoas que teriam enfrentado dificuldade para pegar táxis para sair ou voltar. Decidimos ficar no centro mesmo.

A Posada Cultural Bahia Sonora, é do Sanandreseano Diego. Um cara super simpático que nos recebeu muito bem, e não nos deixou sem informações sobre a ilha!

Diego disse que parte dos lucros da pousada, além dos itens que ele vende lá (artesanatos e bonés), são revertidos para instituições sociais na ilha.

Posada Cultural Bahia Sonora
Posada Cultural Bahia Sonora

Ao fazer check-in, ele também nos deu uma ecobag de brinde. Para que ajudássemos ao meio ambiente e não utilizássemos sacolinhas plásticas. Legal né?

E para divulgar tudo isso, criou a hashtag #soyunturistaresponsable. Que vai impressa em todos os seus materiais.

Há 15 minutos andando do aeroporto, há 15 minutos andando do fervo de San Andres (Parece muito? É que no fervo mesmo ficam só os resorts). E com um supermercado ao lado, a Posada Cultural Bahia Sonora foi um achado.

É um lugar simples (mas que para mochileiros já é muito luxo) e todo estilosinho. Com cozinha equipada e aberta para hóspedes. E quartos com ar condicionado (o que é muito importante em San Andres).

Pagamos 134.000 pesos colombianos = R$ 170 a diária do quarto para casal (R$ 1 = 788 COP), em uma suíte simples.

Posada Cultural Bahia Sonora

O que fazer em San Andres

San Andres é basicamente uma colônia de férias! Tem muita coisa. E muita coisa legal para fazer.

Para nos organizar, criamos um mapa no My Maps. Um aplicativo do Google, onde colocamos tudo que gostaríamos de conhecer em seus respectivos endereços.

Para ver o que foi selecionado, segue o mapa abaixo:

Sincronizamos o mapa em modo offline, e para continuar utilizando-o com GPS (mesmo sem internet), abríamos-o no wi-fi da pousada e seguíamos nosso passeio com ele aberto pela cidade (não podia fechar, se não, não funcionava mais).

E detalhe, isso só funcionou no celular do Doug, um Android. No celular da Mari, um iOS, não funcionou.

Para saber mais sobre o que fazer em San Andres. Basta ler este e os próximos posts, onde detalharemos as informações sobre cada lugar e passeio que fizemos 🙂

Primeira refeição em San Andres

Com muita fome, decidimos buscar algum lugar gostoso (e acessível) para comer em direção ao centro. Nessa paramos em um restaurante chamado Seaweed, que fica no endereço Av Newball 4a 28. Vende ceviches, pizzas e flautas.

Seaweed
Almoço no Seaweed

Pedimos 2 flautas (um rolinho recheado) de carne e de frango. Custaram 12.000 COP e 13.000 COP cada.

Para beber, pedimos 2 Club Colombia (a melhor cerveja colombiana), e 1 pepsi.

Ao todo deu 35.000 COP (R$58 na cotação de R$1 = 602 COP). O que foi bastante caro frente às próximas refeições que faríamos.

Praia Peatonal

Depois de comer, seguimos reto pela avenida do restaurante até cairmos na Praia Peatonal. Onde se encontra também o Paseo Peatonal, o calçadão de San Andres. O point das lojas dutty free.

Como bons mochileiros, não passamos nem 20 minutos lá. Paramos em uma delas apenas para comprar um fone de ouvido Philips. Pagamos 29.500 COP (R$49 na cotação de R$1 = 602 COP). No Brasil custa R$60 (ok, não foi tão barato assim).

Playa Peatonal
Playa Peatonal

A Praia Peatonal, como todas as praias em San Andres, tem um azul incrível no mar. Mas é bastante cheia e urbanizada.

Definitivamente não é a praia com a melhor beleza natural de San Andres!

Onde trocar dinheiro em San Andres

Ali, perto da Praia Peatonal, no endereço Atlántico #1, fica o Bancolombia. O lugar oficial de troca de moeda em San Andres.

Quando olhamos no site do Banco Central, a expectativa era de que R$ 1 = 850 pesos colombianos. Mas esta cotação não se aplica a lugar nenhum. O máximo que conseguimos foi R$ 1 = 750 COP.

Para não sair do Brasil sem nenhum dinheiro trocado, trocamos R$332,00 no aeroporto de Guarulhos. Deram 199.864 COP, com a cotação R$ 1 = 602 COP. Péssima cotação!

Paseo Peatonal

Como saímos só com reais (sem dólares), enfrentamos um problema em San Andres. O banco deles só troca dólares!

Tivemos que trocar com um cara na rua (na frente do banco). Trocamos R$ 1.000 = 600.000 COP. Mais péssima ainda a cotação!

A Posada Cultural Bahia Sonora, aceitava pagamento em cartão de crédito. E por acharmos que a cotação em San Andres estava muito baixa, resolvemos pagar no cartão. A surpresa foi que mesmo tendo que pagar IOF, a conversão da moeda estava muito mais vantajosa (R$1 = 788 COP). Então, fica a dica!

Outra dica valiosa: a moça do Banco Safra, no aeroporto de Guarulhos, disse que a circulação de moedas falsas na Colômbia é muito grande. Então, sempre que for receber troco, ou trocar dinheiro, observe se a nota é verdadeira.

E como observar? A nota tem uma marca d’água (como o real), e as imagens tem um relevo simples, que você consegue sentir com os dedos. Se não encontrar nenhuma dessas evidências, não aceite a nota.

Praia Spratt Bight

Saindo do banco, voltamos ao calçadão da Praia Peatonal. Seguimos percorrendo por ele todo, até chegar a Praia Spratt Bight. A praia mais ao norte da ilha de San Andres.

Decidimos curtir o final do dia por lá tomando uma piña colada que custou 12.000 COP (R$20 na cotação de R$1 = 600 COP) e que era horrível, rs. Na realidade, acho que fui eu quem não gostei da bebida, que é uma das especialidades de lá.

Pina colada em Spratt Bight
Piña colada em Spratt Bight

A cor do mar na Praia de Spratt Bight também é maravilhosa. A praia ainda é bastante urbanizada, mas a quantidade de pessoas ali é um pouco menor do que na praia Peatonal.

Dá para curtir bem uma praia ali. Mas ainda não é a praia mais bonita de San Andres.

Spratt Bight
Spratt Bight

Onde comer em San Andres

Era hora de jantar, e bateu aquela fome!

Beer Station
Jantar ao som do mar, te dá um bom humor incrível, rs

Decidimos voltar pelo calçadão da praia de Spratt Bight. Passar pelo calçadão da praia Peatonal, e comer no Beer Station. No endereço Av. Colombia #55a1.

O Beer Station tem pratos, hambúrgueres, muitas opções de comida. Não é tão caro, mas para o nosso estilo de viagem é um pouco sim, rs. Então decidimos pedir um lanche e uma cerveja, e dividi-los entre nós dois.

Pedimos uma espécie de X-Salada que estava divino (muito bom mesmo) e uma Club Colombia. Deu 27.400 COP (R$45 na cotação de R$1 = 600 COP).

Beer Station 03

No final valeu bastante a pena. Lá conseguimos comer sentados em uma mesa do lado do mar. E assistir aos clipes mais legais do mundo da música, rs.

Beer Station
Lá tem gente descolada, que pausa a janta para assistir a clipes musicais

Banho de água salgada em San Andres

De barriga cheia, e mortos de cansaço, voltamos para a Posada Cultural Bahia Sonora para dormir. Antes de dormir, tomamos aquele banho gostoso para tirar todo o suor que só o calor e a umidade de San Andres podem te proporcionar, rs.

Mas tinha uma coisa estranha no chuveiro da pousada… A água era salgada! Sim! E isso não é exclusivo da Posada Cultural Bahia Sonora. Isso é em toda a ilha!

Ah, e outro detalhe, a água dos chuveiros em San Andres também é fria! Mas no calor que faz lá, você vai até agradecer.

Gastos do dia (na cotação de R$ 1 = 600 COP)

Almoço no Seaweed para 2 pessoas: 35.000 COP (R$58)

1 sorvete + 1 cerveja à tarde: 5.500 COP (R$9)

Fone de ouvido Philips: 29.500 COP (R$49)

Compras no supermercado (Repelente, sabonete, água e docinhos): 36.800 COP (R$61)

Jantar no Beer Station para 1 pessoa (porém dividido por nós 2): 27.400 COP (R$45)

1 Piña colada na praia: 12.000 COP (R$20)

1 Diária na Posada Cultural Bahia Sonora: 134.000 COP (R$ 170 na cotação de R$1 = 788 COP, pois paguei no cartão)

Total: R$412

Próximo Dia

Autor do Post
Mari Sanefuji
Joseense de 24 anos, que há 6 anos decidiu se mudar para São Paulo para trabalhar no ramo da Publicidade como Gestora de Mídias Sociais. Posso me descrever como uma mente inquieta sempre em reflexão sobre o mundo, e sobre a mim mesma.