03 dias na Argentina – Planejamento da Viagem para Buenos Aires

Resumo do Relato Completo

– Roteiro de Viagem, Itinerário no MyMaps, Geografia da Argentina, História da Argentina, Economia da Argentina, Migração na Argentina, Cultura Argentina, Câmbio da Argentina, Informações Importantes da Argentina e Curiosidades da Argentina

———————————————————————————————————————————————————————

Roteiro de Viagem

Teríamos apenas o final de semana para conhecer Buenos Aires. Chegando em uma sexta-feira à noite e indo embora na segunda-feira de madrugada direto para o trabalho.

Conseguimos uma promoção relativamente boa (levando em conta que não tem como fugir da taxa de embarque de R$ 400). E justo na data de aniversário da Mari. Que foi na sexta-feira deste fim de semana.

Então nos demos esse “luxo” de passar o fim de semana na capital dos hermanos.

Praticamente TODOS os pontos turísticos da cidade ficam próximos uns dos outros. O que torna muito mais fácil conhecer a cidade.

Podemos separar Buenos Aires em 5 bairros turísticos principais: San Telmo, Recoleta, Puerto Madero, La BocaPalermo.

Os três primeiros ficam muito próximos entre si fazendo com que seja prazeroso conhecer os bairros a pé ou de bicicleta. Os últimos dois são um pouco mais distantes. Mas NÃO TÃO DISTANTES ASSIM. Ainda mais se estiver em cima de uma bike.

Compramos a passagem no site da Gol por R$ 841 cada uma (R$ 441 de passagem + R$ 400 de taxa):

  • Ida: São Paulo (Aeroporto de Guarulhos) 21:00 > Buenos Aires (Aeroporto Ezeiza) 23:50
  • Volta: Buenos Aires (Aeroporto Ezeiza) 06:45 > São Paulo (Aeroporto de Guarulhos) 09:30

Está pensando em ir para Buenos Aires? Pesquise preços de passagens aéreas, aqui.

Deixamos nossa hospedagem já reservada no Hostel Art Factory 3 noites por R$ 52 a diária para cada um.

El Caminito
El Caminito

Itinerário no MyMaps

Planejar uma viagem  normalmente é dar uma lida pra saber o que fazer na cidade. Anotar os principais pontos de interesse. Chegar no hostel, pedir o mapinha da cidade e sair desbravando sem ver a hora passar.

Agora com “as tecnologia tudo” é inegável que ficou mais fácil viajar. Utilizamos o aplicativo MyMaps do Google, que te possibilita marcar no mapa seus pontos de interesse.

Sincronizamos os mapas em modo offline, e para continuar utilizando-o com GPS (mesmo sem internet), abríamos o mapa no wi-fi do hostel e seguíamos nosso passeio com ele aberto pela cidade (não podia fechar, se não, não funcionava mais).

E detalhe, isso só funcionou no celular do Doug, um Android. No celular da Mari, um iOS, não funcionou.

Então fica aí o resumo do que tem para fazer em Buenos Aires:

Geografia da Argentina

A República da Argentina possui 40 milhões de habitantes e um território de 2,78 milhões de km². Sendo o oitavo maior país do mundo em relação à extensão territorial.

Só por curiosidade, o Brasil é o quinto maior. Tem 3 vezes o tamanho da Argentina.

O país faz divisa com Bolívia e Paraguai ao norte, com o Brasil e Uruguai ao nordeste, com o Oceano Atlântico ao leste (não espere praias muito bonitas pela Argentina) e ao sul com o Chile (uma divisa que historicamente criou um certo desconforto entre o dois povos. Uma dica é nunca falar para um argentino que a Patagônia chilena é mais bonita que a deles hahaha).

E todo esse tamanho é preenchido com uma grande variedade de relevos. E muitas, MUITAS paisagens lindas:

  • No centro-leste estende-se uma planície fértil e úmida conhecida como Pampa;
  • Ao norte estão as planícies subtropicais, o Chaco;
  • A noroeste fica uma região mais seca chamada de Puna;
  • No nordeste uma região mais úmida, com mais florestas chamada de Mesopotâmia Argentina;
  • A oeste a conhecida, única e FANTÁSTICA Cordilheiras dos Andes;
  • Ao sul encontram-se as geleiras da Patagônia;
  • E no extremo sul o arquipélago da Terra do Fogo.
Rio del Plata
Rio del Plata

História da Argentina

Os primeiros vestígios de civilização humana no território argentino são datados em 11.000 anos A.C. E seus “fundadores” teriam vindo do extremo sul da Patagônia (região que hoje pertence ao Chile).

Por volta de 9.000 A.C a região dos Pampas já estava ocupada, e as demais regiões seguiram o processo de ocupação.

Mas como falei ali em cima, o território argentino é MUITO GRANDE, permitindo o surgimento de diversas civilizações, de diversas culturas.

Nas escolas, sempre nos passaram uma ideia de que a maioria das “coisas modernas” surgiram após a chegada dos colonizadores europeus em territórios americanos. Nos passam uma imagem extremamente vaga dos povos que já habitavam o nosso continente.

Passamos a vida inteira pensando que estes povos não eram desenvolvidos. Que necessitavam de ajuda e que não eram organizados. Ocultam maior parte das informações. Parece que não querem que nos sintamos orgulhosos dessa parte da história que corre em nossas veias.

Plaza de Mayo
Plaza de Mayo

Por volta do século X existiu a Cultura da Aguadana região noroeste da Argentina. Definida como “a mais andina das culturas do noroeste argentino”.

Esse povo, ou melhor, essa sociedade, já havia desenvolvido uma economia que sustentava-se da plantação de milho, feijão, abóbora e mandioca.

Estes produtos eram usados para o comércio, e troca com regiões MUITO DISTANTES. Como a região de São Pedro do Atacama no Chile. E todo o transporte sendo feito por Lhamas.

Esse mesmo povo descobriu o bronze antes mesmo da chegada dos espanhóis.

Antes da chegada dos espanhóis em 1516, a Argentina era ocupada pelos índios querandis no leste, charruas no Pampa, quéchuas nos Andes (o Império Inca dominou a região noroeste da Argentina por volta dos anos 1400), e guaranis no Nordeste.

O primeiro espanhol que pisou em solo argentino foi  Juan Díaz de Solís. Que não foi muito bem recebido, aliás.

Ao desembarcar próximo ao Rio del Plata, foi atacado e morto pelo povo charruas.

Os sobreviventes do ataque tentaram retornar para a Espanha, porém muitas embarcações naufragaram, fazendo com que algumas pessoas ficassem ilhadas na região que hoje chamamos de Florianópolis, no Brasil.

A colonização da Argentina foi feita após o império espanhol conquistar o Peru. Quando em 1534 a parte norte da atual Argentina foi entregue a Pedro de Mendoza, um militar e conquistador espanhol.

Em 1536 ele funda um porto ao sul do Rio del Plata, que foi chamado de Santa María del Buen Ayre, o que hoje chamamos de Buenos Aires.

O convívio com os povos na região começou de forma bem pacífica. Mas a paz só durou enquanto os índios tinham condições de pagar os impostos exigidos sobre suas colheitas.

A partir de 1537 começaram vários conflitos entre espanhóis e os povos locais (quéchuas, guaranis, todos eles). Conflitos foram constantes por mais de um século.

A resistência e organização dos povos era surpreendente. Porém em 1665 o governador Alonso de Mercado y Villacorta fez o que tanto os espanhóis queriam. Começou a dizimar as tribos e povos argentinos.

Não acabou com todos, porém o medo foi estabelecido.

Clima Argentino
Clima Argentino

A região da Argentina começa a ganhar importância no início do século XVII, com a chegada das missões jesuítas na região de Buenos Aires.

As missões tinham por objetivo realizar uma organização social e econômica dos índios. De uma maneira diferente das demais colônias.

Os jesuítas respeitavam os índios guaranis, e os escutavam. Os faziam participar.

Uma forma muito esperta de colonizar. Já que as missões tinham por objetivo educar índios para liderar as próprias missões. Com o objetivo de tornar a região rentável, para que com o dinheiro pudessem expandir as missões à outras regiões.

E para tornar a região rentável, os jesuítas estimularam junto aos guaranis a produção de erva-mate, e criação de gado.

Na Argentina, comemora-se a independência do país no dia 25 de maio. Curiosamente esse não foi o dia da proclamação da independência. Que aconteceu no dia 9 de julho de 1816.

Em 20 de maio de 1810, motivados pela queda do poder espanhol, e com o povo confiante após resistir às invasões britânicas entre os anos de 1806 e 1807, um grupo de intelectuais revolucionários (jornalistas, artistas, advogados, economistas) se reuniu em Buenos Aires e começou a convocar a população para pedir a renúncia do vice-rei Cisneros.

Nessa mesma noite foi exibida uma peça de teatro cujo o tema era a tirania. O vice-rei tentou proibir a exibição e então o público se levantou e gritou: “Viva o livre Buenos Aires”.

No dia 23 de maio, 450 moradores abriram fóruns para discussão que acabaram apenas no outro dia. E no dia 25 de maio de 1810, os revolucionários fizeram discursos inflamados, dizendo que a autoridade que tinha nomeado Cisneros não existia mais. E que no seu lugar, um conselho do povo deveria assumir.

Os membros progressistas foram convidados a formar um conselho de administração. E formaram um Conselho para representar o povo.

As revoluções começaram a acontecer. Lideradas pelo libertador José de San Martín, que em muitas batalhas teve ao seu lado Simón Bolívar.

E após muitas lutas. No dia 9 de julho de 1816, a Argentina é declarada independente.

Obelisco de Buenos Aires
Obelisco de Buenos Aires

A partir do século XIX, o cenário político do país caracterizou-se por uma maior participação da classe média nas decisões governamentais.

Porém no ano de 1930, aconteceu um golpe-militar, que iniciou uma fase marcada pelo totalitarismo. E por tomadas de poder à força.

Até que surge um dos principais personagens da história recente argentina, Juan Domingo Perón. Um inexpressivo Secretário do Trabalho que começou a discursar diversas loucuras para a época.

Ele promovia reformas nos planos social, econômico e trabalhista. Uma reforma para que o povo pudesse pegar uma maior fatia do bolo.

Os militares ficaram assustados com idéias tão maldosas e afastaram Perón do cargo.

Mas depois de muitas manifestações populares, lideradas pela mais conhecida ainda Eva Duarte (futura Evita Perón e primeira dama), o exército o trouxe de volta. E em 1946, Perón é eleito presidente da Argentina. Criando o partido Peronista.

A era Perón foi marcada por diversas reformas trabalhistas, porém sofreu críticas sobre seu autoritarismo.  E por não mostrar tanto afinco na luta contra os privilégios das elites.

Evita Perón morreu em 1949, e com ela a popularidade de Perón, que teve na história e luta de Evita, a maioria dos seus votos. Ela representava como poucos a luta pelos oprimidos. E dava voz e atenção aos trabalhadores de verdade.

Em 1955, o governo peronista saiu de cena.

Evita Perón
Evita Perón

A fase chamada “pós-peronismo” foi marcada por muita desorganização. Aconteceram muitos golpes de Estado, presidentes foram trocados rapidamente.

Diversas e violentas manifestações populares se espalharam pelo país, e em 1973 Perón foi reeleito. Sendo depositado nele muita esperança por mudanças.

1 ano depois Perón morre, e quem assume é sua segunda esposa, Maria Estela Martínez de Perón. Conhecida como Isabelita.

Após dois anos de governo as ruas voltaram a ficar agitadas, se espalharam casos de furto e violência. Os militares (e os EUA) se aproveitaram da situação e derrubam Isabelita do poder. Acusando-a de promover o caos na sociedade.

Quem assume é o general Jorge Rafael Videla, instaurando uma das maiores manchas de sangue da história do nosso continente. A Ditadura Militar. No dia 24 de março de 1976.

Esse período foi marcado por extremo autoritarismo, e por uma gestão econômica que agravou ainda mais a desigualdade do país. Aumentou-se a concentração de renda da classe média-alta e classe-alta da sociedade.

O autoritarismo pôde ser representado em números, e existia uma estimativa de aproximadamente 30 mil argentinos sequestrados. E 2,5 milhões de argentinos exilados do país.

Felizmente em 1983, após eleições democráticas, Raul Alfosin assume a presidência, mandando prender vários militares.

Na questão do fim da ditadura, a Argentina merece nossa admiração. E também é um exemplo a ser seguido. Os portenhos mantém viva a memória da ditadura militar, período que hoje é chamado de Terrorismo de Estado.

Até os dias de hoje militares estão sendo condenados por crimes que praticaram nesses anos sangrentos.

Mas a confusão de troca de poderes na Argentina continuou. Durante 2 anos o quadro político se manteve muito instável com trocas constantes de presidentes.

Até que em 2003 as eleições levaram para o segundo turno dois candidatos peronistas: Carlos Menem, e Nestor Kirchner. Carlos Menem com medo de entrar na história por sofrer uma derrota esmagadora nas urnas, retirou sua candidatura.

Memorial da Ditadura Militar em Buenos Aires
Memorial da Ditadura Militar em Buenos Aires

Se deu então o início da “Era Kirchner”.

Nestor Kirchner teve o grande mérito de controlar a crise econômica, e dessa forma conseguiu ter mais tranquilidade no cargo. Marcando a Era Kirchner também pela questão da estabilidade dos governantes.

Nestor ficou internacionalmente conhecido por ser um dos poucos na história que bateram de frente com as dívidas externas existentes. Principalmente em países de terceiro mundo. E como ele fez isso?

Declarou que o país pagaria somente o que pudesse.

Foi alvo de muitas críticas. Mas confesso que admirei demais essa ação. Oras, se vivemos em um mundo globalizado, está na hora de começarmos a nos ajudar!

Nestor Kirchner governou o país até o ano de 2007, quando foi substituído pela senadora e primeira dama Cristina Kirchner. Que venceu as eleições, se tornando a primeira mulher eleita para o cargo.

O governo de Cristina teve pontos positivos e negativos. Do ponto de vista econômico sofreu muitas críticas por manter a Argentina fechada ao exterior, e pela alta taxação de impostos.

Do ponto de vista humanitário, seu governo ficou para a história por ser o primeiro país latino-americano a permitir o casamento gay.

Em 2011, Cristina é reeleita no primeiro turno com 54% dos votos. O seu segundo mandato foi marcado por criar a Ley dos Medios, uma forma de democratizar a mídia (o que a colocou batendo de frente com um dos maiores grupos de telecomunicação da Argentina, o Clarin, que a acusa de instaurar uma medida ditatorial). E também por exigir do primeiro-ministro britânico, a “devolução” das Ilhas Malvinas, o que ainda não aconteceu =/

Grafite em Buenos Aires
Grafite em Buenos Aires

Atualmente o cenário político voltou a ficar conturbado não só na Argentina, mas em muitos países da América Latina.

Após anos de governos progressistas reinarem no continente, as crises chegaram. E nós estamos aqui pensando como essa história que estamos vivendo será contada.

Esperamos fazer parte dela, vendo de perto o que está acontecendo em cada país.

Economia da Argentina

Para se ter uma ideia na LOUCURA da economia da Argentina, antes de 2001 o dólar equivalia ao peso argentino. Hoje em dia U$ 1 equivale a 13,90 pesos argentinos. Ou seja, mudou muita coisa!

Boa parte da economia Argentina se sustenta no solo da região dos Pampas, destacando-se a produção de milho, trigo, soja, erva-mate, batata, algodão, aveia e cevada.

Outra constante nos governos argentinos, sendo uma das principais críticas que foram feitas à gestão Kirchner, é a falta de controle na inflação do país. Uma inflação que pode chegar a 30%!

Os argentinos que conhecemos durante nossas viagens, dizem que um dia você vê um preço, no outro já aumentou MUITO. Dizem que é muito difícil se planejar financeiramente por lá.

Podemos pegar como exemplo o quilo de pãozinho que em 2010 custava 8,30 pesos argentinos. Atualmente está custando 19 pesos argentinos.

Migração na Argentina

A burocracia para entrar no país dos hermanos, é a mesma que existe para brasileiros que querem entrar nos outros países da América Latina.

Basta levar o passaporte, ou até mesmo sua carteira de identidade (não pode ser a CNH tem que ser o RG!).

Se levar o passaporte,  o procedimento é mais simples. No momento de passar pela alfândega, o agente vai carimbar seu passaporte, e marcar um visto de turista válido por 3 meses.

Se levar o RG, o agente vai te entregar um papel que você NÃO PODE PERDER. E que será exigido no voo de volta, para comprovar que você não estava ilegal no país.

Arquitetura européia de Buenos Aires
Arquitetura européia de Buenos Aires

Dica: se você entrar no país por vias terrestres e estiver apenas com RG. Exija esse papel!

Cultura Argentina

A primeira coisa é esquecer toda essa richa entre brasileiros e argentinos. E podemos dizer que essa richa vem muito mais da gente do que dos hermanos.

Chegar na Argentina, é a certeza de ser bem recepcionado.

A origem do povo argentino vem da mistura indígena, espanhola, e também tem uma grande participação dos imigrantes italianos (principalmente em Buenos Aires). Ocorrida entre os anos de 1870 e 1970.

Cultura argentina
Cultura argentina

Os argentinos possuem hábitos que são muito típicos: tomar mate (chimarrão), comer asado (churrasco) em festas de família e amigos,  tirar uma siesta (soneca) depois do almoço, e ter um vinho sempre na mesa.

Mas nem só de beber, comer, e dormir que os hermanos vivem. Eles DANÇAM!

O famoso ritmo dançante Tango está presente em todos os lugares.

Além do tango e da dança, os argentinos também se destacam pelo seu gosto pelo Rock ‘n’ Roll. Diversos artistas internacionais falam da energia dos shows que fazem na Argentina.

E o país também possui MUITAS, MUITAS ótimas bandas de rock!

Câmbio na Argentina

Como na maioria dos países do mundo. O dólar americano é aceito em qualquer lugar.

Mas falando da Argentina, podemos dizer que o real brasileiro também é aceito em qualquer lugar.

Na Argentina  é bem comum trocar real em restaurantes ou lojas. E muitas vezes com uma cotação acima da que é dada na casa de câmbio.

No nosso caso, trocamos o dinheiro em uma banca de jornal. Conseguimos uma cotação de R$ 1 = 4,37 pesos argentinos.

Informações Importantes da Argentina

DDI da Argentina: 54

Ligação para o Brasil da Argentina: A cobrar disque 0800.999.5500.

Eletricidade na Argentina: A voltagem é de 220V. O padrão das tomadas são iguais ao antigo padrão brasileiro. De dois e três pinos.

Fuso Horário da Argentina: Não há fuso horário entre o Brasil e a Argentina. Exceto quando entramos no nosso horário de verão. Ou seja, entre os meses de Outubro e Fevereiro, quando são 10h em São Paulo, são 09h em Buenos Aires.

Embaixada Brasileira na Argentina:  Existem consulados brasileiros nas cidades: Buenos Aires, Bariloche, Mendoza, Córdoba, Salta, Bahía Blanca e Puerto Iguazú.

Grafite dem Buenos Aires
Grafite dem Buenos Aires

Feriados e datas comemorativas na Argentina: Sempre bom estar ligado para as datas festivas de um país. Primeiro porque pode ter uma festa legal pelo país, e segundo porque não é só no Brasil que tem trânsito e os lugares turísticos ficam cheios…

  • 01 de janeiro: Ano-Novo;
  • Março ou abril: Páscoa;
  • 24 de março: Dia Nacional da Memória pela Verdade e Justiça (Aniversário da Ditadura);
  • 02 de abril: Dia do Veterano e dos Caídos na Guerra das Malvinas;
  • 01 de maio: Dia do Trabalho;
  • 25 de maio: Revolução de Maio (1810);
  • 20 de junho: Dia da Bandeira;
  • 09 de julho: Dia da Independência (1816);
  • 17 de agosto: Aniversário da morte do libertador San Martín;
  • 12 de outubro: Descoberta da América;
  • 08 de dezembro: Imaculada Conceição;
  • 25 de dezembro: Natal.

Clima da Argentina: A Argentina é o oitavo maior país do mundo, sendo assim o clima varia BASTANTE. O norte do país é mais quente e úmido, já o nordeste mais frio, e o sul frio quase o ano todo.

As 4 estações são bem definidas na Argentina, como já podem imaginar. A única região que não respeita as estações são as geleiras da Patagônia. Nessa região o que muda entre o verão e o inverno, é a duração dos dias: mais longos no verão, e mais curtos no inverno.

Buenos Aires
Buenos Aires

Curiosidades da Argentina

1) Em área territorial, a Argentina é o oitavo maior país do mundo. O quarto das Américas. E o segundo da América do Sul.

2) O herói da independência argentina é José de San Martín. Detalhe: San Martín também participou da independência do Peru e do Chile.

3) O sol na bandeira argentina representa o Sol de Maio (Sol de Mayo). Faz referência à Revolução de Maio de 1810, quando teve início o processo de emancipação da Espanha.

4) A população da Argentina é de 40 milhões de habitantes. Menor do que a do estado de São Paulo, com 40 milhões de pessoas.

5) A Argentina foi o primeiro país do continente americano a legalizar o casamento gay.

Grafites nas ruas de Buenos Aires
Grafites nas ruas de Buenos Aires

6) Dois filmes argentinos ganharam o Oscar de melhor filme estrangeiro: A História Oficial (1986) e O Segredo dos seus Olhos (2010).

7) A montanha mais alta das Américas é o Aconcágua. Com 6.962 metros, próximo da cidade de Mendoza.

8) As universidades na Argentina são de GRAÇA. E não possuem vestibular.

9) A primeira seleção de futebol que os brasileiros enfrentaram foi a argentina, em 1914. Os argentinos venceram por 3 a 0.

10) Os argentinos nunca reconheceram Madonna como intérprete de Evita Perón, no filme de 1996. Na mesma época, fizeram sua própria versão do filme com uma atriz argentina, Esther Goris.

11) Antes mesmo dos espanhóis chegarem em solo argentino, os povos existentes no país já haviam descoberto o bronze.

12) O nome Argentina vem de argentum, prata em latim. Encontrado nas mãos de alguns indígenas quando a embarcação espanhola chegou no país. Mal sabiam os espanhóis que a prata era na verdade proveniente de uma expedição portuguesa dirigida por Aleixo Garcia.

El Caminito
El Caminito

Começar o Relato

Paulistano de 26 anos, que ainda mora em São Paulo, e trabalha como Analista de Sistemas. Alguém que só percebeu o tamanho do mundo quando colocou pela primeira vez a mochila nas costas, e a partir de então passou a enxergar o mundo em uma outra perspectiva. Uma perspectiva menos “de eu” e mais “de todos”. Uma pessoa que vive em uma utopia de crer que o mundo pode ser um lugar diferente.

Deixe uma resposta

Top